Case de Sucesso: Indústria de Química

Braskem

Eliminamos a formação de Chunk nos Reatores de Polietileno, evitamos as paradas de planta não-programadas e garantimos a constante produtividade dos processos.

O que você vai aprender nesse case?

Se você quer saber como controlar a incrustação em Reatores de Polietileno, garantir o aumento da produtividade nos processos e solucionar problemas de medição em processos complexos, você deve ler agora este conteúdo. Aqui você vai encontrar:

Sobre a Braskem

A Braskem foi criada em agosto de 2002 pela integração de seis empresas da Organização Odebrecht e do Grupo Mariani. É a maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas, líder mundial na produção de biopolímeros e maior produtora de polipropileno nos Estados Unidos. A produção é focada nas resinas polietileno(PE), polipropileno(PP) e policloreto de vinila(PVC), além de insumos químicos básicos como eteno, propeno, butadieno, benzeno, tolueno, cloro, soda e solventes. Juntos compõem um dos portfólios mais completos do mercado, ao incluir também o polietileno verde, produzido a partir do etanol de cana-de-açúcar, de origem 100% renovável. Conta com 40 Unidades Industriais(em 11 países), presentes em 11 Países,, nos estados de Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Cinco estão nos Estados Unidos, duas estão na Alemanha e quatro no México.

Duque de Caxias | RJ

O Desafio

Reator de polietileno
Reator de polietileno

O processo chamado de polimerização acontece em um Reator de Polietileno(PE). A polimerização acontece na reação de eteno, buteno, monômero, comonômeros e catalisadores a uma pressão de 23 Kg. Devido ao excesso de catalisadores e à estática presente dentro do reator, partículas do polímero formado grudam na parede interna e com isso as moléculas vão se aglomerando até formar uma película fina com peso suficiente para vencer a estática e se desprender da parede interna do reator. Essa película de polímero cai próxima à placa no meio do reator onde se aglomeram mais moléculas, formando uma pedra, chamado de Chunk, podendo chegar a 1 tonelada. Uma ocorrência deste porte pode parar a planta por uma semana, ocasionando uma drástica queda na produtividade.

Fatores Críticos

Kaio Espinola | technical solution specialist

Kaio Espinola

technical solution specialist

O sistema para detecção de Chunk em Reatores de Polietileno não existia no mercado e foi desenvolvido juntamente com a Braskem e a Univation(fabricante do reator) especificamente para esse processo. Nossa solução está em funcionamento há mais de 6 anos, durante os quais tem garantindo continuidade na produção de polímeros na Braskem. Os gastos com manutenção e interrupções de processo foram reduzidos radicalmente. Reduzimos o H/H com manutenção e otimizamos todo o processo envolvendo a polimerização.

A Solução

Reator de polietileno
Reator de polietileno

Chunk Detector A Lince desenvolveu um sistema formado por 10 Detectores de Densidade – MT31. Os detectores são instalados ao redor do reator para controle e acompanhamento das variações de densidade no processo. O Chunk Detector é capaz de captar a formação de Chunk no Reator de PE em tempo hábil para que sejam tomadas as medidas necessárias a fim de eliminá-lo. Desta forma conseguimos evitar paradas de planta não programadas, tornando o processo com elevada segurança e confiabilidade.

Resumo do Sistema

Compartilhe